Celulite

A hidrolipodistrofia ginoide (celulite)


Não tem solução?

A vulgar celulite, de designação técnica hidrolipodistrofia ginoide, é uma patologia do tecido conjuntivo de suporte da pele e é tão patognomónico do sexo feminino, como a calvície do sexo masculino.

A celulite é de tal forma vulgar na mulher que chegou a ser considerada um ideal de beleza feminino no passado.

Tenhamos como referência a célebre obra de Peter Paul Rubens - "As Três Graças" - no século XVII.

Entretanto o nosso ideal de beleza, em pleno terceiro milénio, inverteu-se de tal forma que se tornou uma obsessão quase doentia, a procura da solução milagrosa para este "mal" que tanto sofrimento dá à maioria das mulheres na actualidade.

Celulite, palavra que cria pavor, está presente em 80% das mulheres ocidentais, atingindo cada vez mais jovens adolescentes, não poupando nem as mais magras.

Do ponto de vista médico, é classificada em estádios de evolução, consoante a sua gravidade. Desde a mais elementar, que se exprime quando apertamos a prega da pele entre os dedos, numa fase em que ainda há só discretas alterações da microcirculação com pequenas acumulações de gordura e sem sintomas manifestos, até à fase de acentuadas alterações circulatórias com profundas depressões e nódulos na pele, com dor, peso e edemas nos membros inferiores. Nesta última fase sim, a patologia tem de ser encarada com muita determinação pois pode vir a acarretar outros tipos de riscos agravados.

A celulite é uma doença de causa multifactorial cujo factor primário é difícil de isolar.

Há sempre uma determinada predisposição familiar de maior ou menor grau - há as mulheres sortudas e as sofredoras!! - conjuntamente com um factor gatilho de origem hormonal (daí a celulite só surgir após a menarca ou agravar com a toma de anti-concepcionais). Os restantes factores concorrentes são mais ou menos controláveis: os maus hábitos alimentares, outros hábitos tóxicos, défice de actividade física, stress descontrolado e medicações.

Se actuarmos ferozmente neste grupo de factores causais minimizamos a predisposição de base genética e hormonal.

A celulite incomoda preferencialmente as mulheres com uma tipologia ginoide (têm o corpo em formato de pêra e acumulam na região glútea, coxas e joelhos, a gordura que é mais inestética do que perigosa) e não tanto as de tipologia androide (têm o corpo em formato de maçã que acumula no tronco a gordura mais perigosa para a saúde).

Vamos definir de forma mais técnica esta dismorfia - é um desequilíbrio do metabolismo lipídico e fluxo circulatório, no qual as células adiposas aumentam de volume, as fibras conjuntivas proliferam, espessam, de modo que comprimem os tecidos envolventes, diminuindo a drenagem de líquidos, que estagnam. Esta redução dos fluxos deixa os tecidos mal oxigenados, mal nutridos, com toxinas acumuladas, pelo que se vai desorganizando em nódulos típicos do aspecto "casca de laranja" na hipoderme.

Estes nódulos acabam por inflamar e tornam-se dolorosos. As hormonas estrogénicas em desequilíbrio actuam nestas três fases: depositam gordura no adipócito, destruturam o colagénio e aumentam a permeabilidade vascular.

Nenhuma definitiva ou radical! Não desanime! Com disciplina perseverante, conseguirá que este seu inimigo não se acumule contra sua vontade! Mas não seja fanática! Ainda podemos tirar algum ensinamento de Rubens e as suas Três Graças.

A perfeição só está na nossa ilusão.

Sem entrar em descrição de medidas técnicas que estão documentadas até à exaustão para a erradicação fictícia deste mal, vamos então rever as condutas genéricas a não esquecer para minimizar o problema da celulite:

1 - Apesar de celulite não ser equivalente a gordura, há que tomar todas as medidas para eliminar o excesso de peso. Assim, não me canso de dizer que é essencial corrigir os erros alimentares.

Eliminar o açúcar, o excesso de sal, gorduras trans, fast food; consumir muito disciplinadamente legumes, verduras, frutas, e consumo de água e líquidos não açucarados, tal como a ingestão de tisanas com função drenante, desintoxicante, antioxidante.

Com estas medidas melhora a função digestiva e intestinal, eliminando as toxinas que contribuem para os depósitos.

Em alguns casos é importante considerar a correcção de alergias e intolerâncias alimentares que contribuem para o processo inflamatório do tecido conjuntivo e para a destruturação das fibras.

Todas estas medidas alimentares devem ser estudadas e orientadas por um profissional de saúde na área da nutrição.

2 - Também não é excessivo repetir que é obrigatória uma regular actividade física, que melhora a microcirculação, promove a eliminação de toxinas e favorece o metabolismo.

O exercício regula a resistência à insulina, que é um dos mecanismos metabólicos intermediários na construção destes depósitos celulíticos.

3 - Não esquecer que devemos ser exaustivos nas medidas que promovem a drenagem do sistema linfático e sanguíneo.

Aproveito para destacar algumas plantas que actuam muito beneficamente nos vasos:

a) A Centelha Asiática (Hydrocotyle asiatica) com asiaticosides, regula a produção de colagénio activando os fibroblastos e activa a circulação;

b) A Castanha da Índia (Aesculus hippocastanum) com derivados cumarínicos que promovem a drenagem linfática, com escina que actua sobre os vasos periféricos e os bioflavonóides com acção anti-inflamatória e melhorando a perme abilidade vascular;

c) O Chá verde (Camélia sinensis) com flavonóides de acção drenante, antioxidante vasoprotectora;

d) A Cavalinha (Equisetum arvensis) rica em silício que faz parte da enzima prolina hidroxilase e favorece a formação e a protecção de fibras de colagéneo e dos vasos;

e) Extracto de grainha de uva com proantocianidinas (PCOS) que são potentes antioxidantes, promovem a integridade do tecido conjuntivo e protegem o sistema vascular (as PCOS são consideradas uma grande arma na prevenção da hidrolipodistrofia pois têm acção "hialuronidase like" que actua nas fibras anormais que se vão depositando).

Assumindo estas medidas de forma conjunta prevenimos de forma bastante eficaz a acumulação da inestética gordura celulítica como também daquela gordura mais invisível de tipo visceral de enorme risco para o aumento da morbilidade e mortalidade.

Ter a consciência que só depois de estar disposta a trabalhar conjuntamente estes três pilares, alimentação, exercício físico, protecção vascular, deve avançar e investir noutras medidas de intervenção local, para que obtenha os resultados mais satisfatórios.

Resumindo, cuide da sua beleza exterior sem esquecer que ela exprime a sua saúde interior. Não esqueça que sentir-se bem é o primeiro passo para exprimir a sua beleza natural.

É muito importante não sofrer por um falso ideal de beleza e não troque a celulite por rugas de preocupação.


© Órbitanews 2014