Comer em viagem

Comer em viagem


viagem

Muitas pessoas passam longas horas em transportes, algumas no trânsito ou no comboio, outras em salas de espera dos aeroportos e em voos de longo curso.


Em qualquer caso, uma alimentação correta ajuda a combater o stress, a manter-se alerta e a melhorar o seu desempenho profissional.


Os transportes em hora de ponta são um fator de stress que, combinado com as pressões do trabalho, pode gerar um esgotamento. Se se desloca com frequência e a sua alimentação é inadequada, não conseguirá obter nutrientes em quantidades suficientes para fazer face a estas necessidades suplementares.


Todas as pessoas sabem como os atrasos e filas de transito podem rapidamente acumular tensões, originadas pela produção de adrenalina, hormona responsável pela reação de «fuga ou luta». Um aumento esporádico de adrenalina não é nocivo, sendo até útil para otimizar o nosso desempenho em certas situações profissionais, mas níveis constantemente elevados desta hormona podem delapidar as reservas de energia.


De carro ou de comboio

Quando o seu comboio é cancelado ou dá por si parado no fim de uma fila de carros com 10 km, nada pode impedir o seu corpo de produzir adrenalina. O importante será aprender a lidar melhor com estas situações: saia de casa mais cedo, ouça música relaxante no carro e aproveite a viagem de comboio para de distrair a ler em vez de despachar assuntos do emprego.


Evite adotar hábitos alimentares errados, que depressa passam a fazer parte integrante da sua vida profissional, como não tomar pequeno-almoço ou comê-lo à pressa, engolir um hambúrguer cheio de gordura e um refrigerante no bar da estação ou substituir uma refeição por um pacote de batatas fritas e uma barra de chocolate.


Com a ajuda da alimentação

Em termos gerais, uma alimentação saudável e equilibrada baseada em «Os cinco grupos de alimentos» fornece os nutrientes necessários. Porém, certos alimentos são mais adequados para fazer face à tensão das deslocações diárias.


Resistências à infeção. Quando as pessoas viajam diariamente em espaços fechados como «sardinhas em lata», tornam-se mais vulneráveis a infeções virais e bacterianas, como constipações e gripe.


Vitaminas antioxidantes, como o betacaroteno e as vitaminas C e E, e certos minerais, como o zinco e o selénio, reforçam o funcionamento do sistema imunitário. Para obter esses antioxidantes, coma muita fruta, legumes, frutos secos, sementes e marisco (especialmente de concha) e use óleos vegetais para cozinhar.


Fontes de energia. Certas vitaminas do complexo B, como a tiamina (B1), a riboflavina (B2) e a niacina, favorecem a libertação da energia dos alimentos para o organismo, cujas reservas podem ser esgotadas devido ao stress.


Cereais integrais, extrato de levedura, laticínios, lentilhas e outras leguminosas, fígado, legumes verdes, marisco, carne, ovos, frutos secos, sementes e fruta seca são alimentos ricos em vitaminas do complexo B.


Ouvir o coração. O stress provocado pelos transportes provoca a aceleração do ritmo cardíaco e subida da tensão arterial. Proteja o seu coração comendo duas vezes por semana peixe gordo (sardinhas, cavala e salmão), rico em ácidos gordos que ajudam a tratar a doença cardíaca.


Preciosos frutos secos. Comer regularmente pequenas quantidades de frutos secos sem sal pode ajudar a reduzir o risco de ataque cardíaco entre 30% e 50% porque:


- A maior parte dos frutos secos é rico em gorduras, mas do tipo insaturado. (Evite o coco, rico em gordura saturada).

- Os frutos secos são ricos em vitamina E e em arginina, base da produção de óxido nitrico, que protege o músculo cardíaco.


Evitar o sal. A hipertensão aumento o risco de acidentes vasculares cerebrais e de doença cardíaca. Se tem problemas de hipertensão, corte no sal à mesa e evite alimentos salgados e com muitas gorduras, como batatas fritas e aperitivos de pacote.

Apanhar o comboio. Levante-se a tempo de tomar um bom pequeno-almoço: sumo de laranja natural, queques de banana ou uma taça de cereais enriquecidos, que aumentam os seus níveis de energia.


Se a viagem for longa, meta na pasta (ou na carteira) uma banana ou uma maçã e um pacotinho de passas ou amêndoas sem sal para enganar a fome. Se passar pelo bar da estação, bebe sumos de fruta ou água mineral e evite o café ou o chá, que, como têm cafeína, agravam o stress.


Se vai de automóvel. Para lidar melhor com o stress da condução, não saia de casa sem comer ou, se não tiver tempo de tomar o pequeno-almoço, leve uma barra de cereais ou uma peça de fruta para comer no caminho, e um iogurte e uma banana para quando chegar ao trabalho.


Tenha sempre no carro uma reserva de bolachas integrais ou grissinos, fruta seca e uma garrafa de água. No verão, é muito importante ir bebendo pequenos goles de água para evitar a desidratação, que pode causar dor de cabeça e afetar a coordenação.


Um extra para o inverno. Ajude o sistema imunitário tomando suplementos de alho (as pérolas não provocam mau hálito) e de equinácea. A equinácea deve ser tomada aos primeiros sintomas de infeção, mas não deve ser usada continuamente, pois é mais eficaz na fase aguda da infeção.





© Órbitanews 2014