Dar prazer à parceira

O medo de não dar prazer à parceira

Saiba o que revela os resultados de um estudo intitulado "Os Homens, o Sexo e o Amor".

sex encarado

O inquérito de Philippe Brenot, psiquiatra, sexólogo e antropólogo, intitulado “Os Homens, o sexo e o amor” revela conclusões surpreendentes acerca dos homens e da forma como estes encaram a mulher e o sexo. Uma das conclusões, é que os homens têm pânico de decepcionar as mulheres e daí a necessidade de ver confirmado o prazer, ou seja, o orgasmo!

Fabrice, 32 anos, casado há três anos, afirma sem hesitação : “ Se a minha mulher não tem prazer, tenho a impressão de ter falhado e de não lhe ter dado o que necessitava” ! Mais de 49% dos homens interrogados por Philippe Brenot, sexólogo e autor do estudo “Os homens, o sexo e o amor” consideram que o orgasmo da mulher é condição para uma relação sexual de sucesso. 

Uma necessidade de confirmar a sua virilidade. Mas, a verdade é que, muitas vezes, a atenção que os homens dão ao orgasmo da mulher, vira-se contra eles . “De facto, muitas mulheres sentem-no como uma pressão insuportável. E acabam por simular, para não decepcionar o seu parceiro », afirma Alain Héril. “Posso ter um prazer intenso, sem que tenha que ter orgasmo, responde Carine de 39 anos, casada há 14 anos. Mas sinto uma espécie de censura do meu marido, como se o facto de não atingir o orgasmo o decepcionasse”.

Eles idealizam o sexo da mulher

É longo o caminho até que o homem e a mulher sejam colocados em pé de igualdade quando se trata destas e outras questões. A novidade é que anteriormente, onde existiam apenas certeza, os homens começam a questionar-se e a falar entre eles, julgando-se através do seu grupo de homens. “ E o que mais me impressiona, quando eles se dão permissão de falar, é a essência do masculino, que em última análise, se baseia na ternura e fragilidade”.

A prova é a forma idealizada como falam do sexo feminino. Respondendo à questão : "Como percepcionam o sexo do vosso parceiro ?" 88% dos homens consideram-no bom , enquanto relativamente ao seu próprio sexo, apenas 71 % o consideram bom.

Acima de tudo, os homens são inesgotáveis: Alguns comparam-no (ao sexo da mulher) a uma adorável flor e qualificam-no como "um lugar mágico e respeitável” , o que reflecte a grande importância desta nova e livre intimidade entre homens e mulheres. Na verdade, até há bem pouco tempo, o sexo oral era tabu e esta pesquisa demonstra mudanças profundas nos hábitos sociais e atitudes de amor ao longo dos últimos 30 anos.



© Órbitanews 2014