Emagrecer 2

Uma nova metodologia para emagrecer


emagrecer

A filosofia da fisiologista do controlo de peso Teresa Branco explicada na primeira pessoa


Há 10 anos abri a minha primeira clínica, apesar de anteriormente já trabalhar em gestão do peso e, desde essa altura, que procuro na ciência a melhor forma de ajudar as pessoas que me procuram a perder peso e, consequentemente, a manter o peso perdido.

Não existem milagres e, por isso, apoio-me inteiramente no que de mais recente existe na literatura científica.

Está comprovado que a obesidade é uma doença crónica, que existem pessoas que engordam mesmo tendo muito cuidado com a alimentação e fazendo atividade física. A ciência já demonstrou também que existem pessoas que são geneticamente obesas, outras que engordam devido a questões metabólicas e outras devido a questões comportamentais.

A investigação revelou ainda que não existe uma intervenção única em termos de perda de peso (cada indivíduo deverá ter uma intervenção de acordo com as suas características) e que terá de existir um programa de manutenção, uma vez que a maioria das pessoas que perde peso volta a engordar.

Sabe-se hoje que a obesidade poderá ser consequência de uma depressão ou estados de ansiedade e stresse crónicos e que alguns alimentos podem causar dependência, tal como o álcool, o tabaco ou as drogas. O envolvimento atual promove o aumento do peso e quem tem tendência para engordar está em permanente tentação.

O novo programa que dirijo no Estoril Wellness Center, denominado «Teresa Branco É Emagrecer», é precisamente baseado no que de mais recente existe na ciência da gestão do peso, tornando-se inovador por não considerar o excesso de peso uma questão de estética.

Desmistifica a ideia que o excesso de peso e a obesidade são uma opção, fruto da falta de força de vontade. As pessoas não engordam porque querem mas porque têm condicionantes de ordem hormonal, comportamental e genética que as predispõem para o aumento do peso.

Nem todas as pessoas com excesso de peso comem mais e são mais preguiçosas e mesmo as que comem mais não o fazem apenas porque são gulosas mas porque, de facto, precisam de comer mais. O importante é perceber porque isso acontece e certificarmo-nos de que atingem os seus objetivos de perda de peso.


© Órbitanews 2014