Ginkgo Biloba

Ginkgo Biloba


Medicina anti-aging alternativa

ginkgo biloba.jpeg


Ginkgo Biloba, Alfafa, Fo-Ti (ou Sempre - Noiva), Ginseng, Shisandra, Extrato de Aveia, Damiana, Hipericão (ou Erva de São João) são apenas algumas das (muitas) plantas com propriedades Anti-envelhecimento.


Mas, em que é que consiste afinal o conceito anti-aging?


Por anti-aging poderemos entender tudo aquilo que visa retardar o envelhecimento humano, através da prevenção das doenças de maior mortalidade relacionadas com a idade, tais como as do foro neurológico, as oncológicas e as cardiovasculares.


Hoje em dia fala-se muito de Medicina Antiaging, ou medicina Anti-envelhecimento.


Saúde Actual quis saber se seria ou não possível falarmos também de Medicina Anti-aging Alternativa e a resposta mostrou-se francamente positiva!


Em cada edição irei falar-lhe dos benefícios Anti-aging de uma planta, começando nesta edição, pelo Ginkgo Biloba, uma árvore originária da China, considerada actualmente como um símbolo de paz e longevidade.


Esta árvore despertou o interesse público, quando se percebeu que havia sobrevivido à radiação de Hiroshima e ainda que depois desta, a sua vida e as suas raízes continuavam a proliferar.


Segundo o livro A Bíblia Antienvelhecimento, o Ginkgo Biloba é considerado um poderoso tónico venoso, ou seja, um estimulante da circulação venosa, arterial e capilar, pois "exerce uma actividade vasodilatadora sobre as arteríolas e vasoconstritora sobre as veias".


Um vasodilatador faz com que veias alarguem para libertar calor, lutar contra infecções e baixar o batimento cardíaco.


Neste caso a denominada "actividade vasodilatadora sobre as arteríolas e vasoconstritora sobre as veias" significa nada mais, nada menos, que as artérias dilatam e as veias contraem, pois o sistema sanguíneo pode dizer-se que funciona como um balão: alarga de um lado e contraise do outro, para evitar rebentamentos.


Ainda n’ A Bíblia Antienvelhecimento, o Ginkgo Biloba "opõe-se ao espasmo arterial, diminui a permeabilidade capilar, reduz a agregação plaquetária, os riscos trombóticos microcirculatórios e reforça a tonicidade vascular."


Ou seja: diminui a capacidade das artérias de absorverem e libertarem substâncias solúveis - como as plaquetas por exemplo -, reduz a capacidade coagulante do sangue - aumentando o sangramento e a espessura sanguínea, diminuindo o risco de tromboses circulatórias, ou coágulos nas artérias.


Ainda segundo a mesma publicação, a Ginkgo Biloba, tem ainda um "efeito antiedematoso, protegendo o vaso como o cérebro ou a retina."


Ou seja, evita a acumulação anormal de líquidos em tecidos do corpo, protegendo-os.


E finalmente "É um poderoso antioxidante, mais poderoso do que a vitamina E."


Por antioxidante poderemos entender "o conjunto heterogéneo de substâncias formadas por vitaminas, minerais, pigmentos naturais, compostos vegetais e ainda as enzimas, que bloqueiam o efeito danoso dos radicais livres.


O termo antioxidante significa que impede a oxidação".


Os radicais livres são produzidos pelas células, durante o processo de combustão do oxigénio utilizado para converter os nutrientes dos alimentos absorvidos em energia.


Os radicais livres podem danificar células sadias do nosso corpo, mas o nosso organismo possui enzimas protectoras que reparam cerca de 99% dos danos causados pela oxidação, ou seja, o nosso organismo consegue controlar o nível desses radicais produzidos através do nosso metabolismo.


Os processos metabólicos não são a única fonte de radicais livres. Factores externos podem contribuir para o aumento da formação dessas moléculas.


Alguns desses factores são:


- Poluição

- Raio-X e Radiações Ultravioletas

- Radiações Electromagnéticas

- Tabaco

- Álcool

- Resíduos de Pesticidas

- Substâncias presentes em alimentos e bebidas, tais como aditivos químicos, conservantes, hormonas presentes em carnes de gado e galináceos - quando de criação intensiva, entre outros

- Stress

- Consumo de gorduras saturadas, tais como fritos, etc.

- Consumo de gordura animal


É importante destacar que uma boa alimentação, rica em verduras, legumes e frutas, é a melhor maneira de prevenir os radicais livres.


Daí a importância do consumo de antioxidantes, pois estes protegem o organismo da acção danosa dos radicais livres.


O Gingko Biloba apresenta-se assim como uma planta eficaz na "diminuição da tensão arterial,no aumento do bom colestrol (também designado por HDL) (…), atrasa a evolução da doença de Alzeimer".


Tudo isto e muito mais, poderá ser lido em A Bíblia Antienvelhecimento dos autores Dr. Dominique Rueff e Dr. Maurice Nahon.


Precauções, contra-indicações e interacções


Fonte: www.jardimverde.pt


Contra-indicações:


- Alergia conhecida ao Ginkgo Biloba.


- O Ginkgo interage com anticoagulantes (Coumandina) e agentes anti-inflamatórios (aspirina).


- Associar o Ginkgo a estes fármacos pode aumentar o risco de hemorragia.


- Alguns efeitos colaterais passageiros foram mencionados dependendo da dosagem e formulação: náusea, dores abdominais, vertigem, dor de cabeça, fadiga e sangramento nasal. Todos estes efeitos cessam ao parar ou reduzir a dosagem da planta.


- É largamente recomendado a pessoas com problemas de coagulação (flebites, etc).



Consulte um profissional de saúde antes de tomar o extracto de Ginkgo.


Este artigo contou com a colaboração do Dr. Roberto Araújo. Geneticista, professor da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia, doutorado em Biologia Molecular e Neurociência pela Universidade de Aberdeen, Reino Unido, pós-doutorado na Universidade de Colômbia, Estados Unidos da América, membro da European Genetic Foundation, formado pela European School of Medical Genetics, Itália e Instituto IVI de Fertilidade, Espanha

© Órbitanews 2014