Próstata

Exame à próstata “é simples e não dói nada”, desmistifica médico

medico

Cancro da próstata é a segunda causa de morte oncológica nos homens. Há entre 1.500 a 1,800 mortes todos os anos em Portugal.


Três a quatro mil novos casos de cancro da próstata surgem todos os anos em Portugal e os médicos avisam para a necessidade de rastreio, sublinhando que o exame é simples e não corresponde aos mitos difundidos.

"A única forma de controlar é ir ao médico uma vez por ano, a partir dos 50 anos, e fazer uma análise do sangue e apalpação da próstata, através de toque rectal. Há um mito em torno deste exame, que é simplíssimo, demora segundos a fazer e não custa nada e não dói nada", assegurou Tomé Lopes, presidente da Associação Portuguesa de Urologia, em declarações à agência Lusa.

Na segunda-feira, a associação inicia uma semana de acções de sensibilização para as doenças da próstata, que deverão decorrer em todo o país, com o objectivo de lembrar os homens que o tumor da próstata se desenvolve especialmente a partir dos 50 anos.

"No homem, o cancro da próstata é o cancro mais frequente e é a segunda causa de morte oncológica", avisa Tomé Lopes, lembrando que há entre 1.500 a 1.800 mortes todos os anos em Portugal.

Actualmente, cerca de 60% dos doentes surge com a patologia localizada, o que tem melhorado ao longo dos anos, em grande parte graças ao rastreio feito voluntariamente pelos homens.

O presidente da Associação de Urologia alerta ainda que a doença só é curável na sua fase inicial, quando ainda é silenciosa e não apresenta sintomas: "É tratável em todos os estádios, mas curável só no início".

Daí que os médicos recomendem a todos os homens que façam exames anuais a partir dos 50 anos. Caso haja casos de cancro na família, esses exames devem ser realizados a partir dos 45 anos.


© Órbitanews 2014