Quer mais peito?

Quer mais peito?

Saiba tudo sobre a mamoplastia de aumento, a cirurgia 100% feminina que lhe garante uns seios maiores

peito grand


Graças às próteses mamárias é possível transformar uns seios pouco desenvolvidos e devolver a segurança a qualquer mulher que não se encontre satisfeita com os seus.

Mais de 2,5 milhões de mulheres já se submeteram-se a um aumento mamário em todo o mundo, nos últimos 25 anos. E Portugal não é excepção.

«O aumento da procura deste tipo de cirurgia não tem parado de crescer e, nos últimos cinco anos,

converteu-se numa das cirurgias estéticas mais requisitadas», revela João Baptista Fernandes, cirurgião plástico e director clínico da Clínica de Todos-os-Santos, em Lisboa.

O nome correcto desta cirurgia é mamoplastia de aumento e, segundo João Baptista Fernandes, «tem como objectivo aumentar o volume mamário em doentes com hipoplasia mamária, aumentar e elevar o peito em doentes com hipoplasia e ptose [queda] e reconstruir o peito em doentes mastectomizadas por patologia maligna da mama». Graças a ela, as mulheres já não têm de se resignar a ter um peito plano.

E não só por razões de atracção sexual, mas por motivos de autoconfiança e bem-estar emocional, uma vez que muitas não só recusam usar decotes como chegar a duvidar de algo tão importante como da sua capacidade de dar de mamar. Se é uma dessas mulheres, o implante de prótese mamária pode ser a solução certa para si.

Uma forma para cada mulher

As próteses são cápsulas recheadas de diferentes substâncias que imitam a forma e a textura de uma mama natural. O seu cirurgião, juntamente consigo, deverá determinar quais as mais adequadas às suas características e expectativas, escolhendo entre os diferentes materiais, tamanhos, formas e perfis. Segundo a forma, pode optar por:

São as que proporcionam melhores resultados e ficam mais naturais, daí que seja as mais utilizadas.

Redondas

São, conforme o nome indica, mais estreitas em cima e mais volumosas em baixo. Têm uma forma muito natural, mas para conservá-la têm de ser relativamente duras, pelo que o resultado pode perder a naturalidade que se procura. Significam entre 15 e 18% dos implantes.

Anatómicas ou de gota

Apareceram recentemente. São diferentes para o peito esquerdo e o peito direito, de forma a salvaguardar certos casos de assimetria que o seio tem de forma natural. Não obstante, usam-se muito pouco.

peito grande 3

Assimétricas

AS RESPOSTAS ÀS PRINCIPAIS DÚVIDAS:

Soro ou silicone?

Descubra qual dos métodos garante uns seios maiores e com um aspecto mais natural

Se está a pensar fazer uma  e está indecisa sobre o tipo de próteses que deve usar, saiba que todas elas são muito semelhantes, uma vez que todas têm uma membrana externa de silicone texturada ou lisa, variando apenas o seu conteúdo interno.mamoplastia de aumento

Contudo, este material de que é recheado o implante é muito importante, já que determinará a consistência e aparência final da mama. Neste momento, os únicos permitidos no nosso país são dois (silicone e soro salino):

Actualmente, as próteses de gel de silicone constituem 90% de total de implantes. As mais utilizadas são as de gel de silicone coesivo. São uma evolução das antigas próteses de silicone liquido (que caíram praticamente em desuso), com a vantagem de, em caso de ruptura, não dispersarem o gel, que se mantém coeso.

Gel de silicone

Para além disso, «são as que mais se assemelham ao peito natural, substituindo com vantagem todos os outros materiais», assegura o cirurgião plástico João Baptista Fernandes.

São um pouco mais duras e apesar de estarem mais aperfeiçoadas, o próprio fabricante adverte que, com o tempo, se pode perder cerca de 5% do soro, o que daria lugar a pequenas assimetrias.

Soro salino

O hidrogel é um gel à base de água, açúcar e sal. É usado com menos frequência porque, em algumas circunstâncias, como o frio, podem endurecer demasiado.

Hidrogel

Seios naturais ou exuberantes?

Veja os formatos que pode escolher e quanto lhe pode custar a operação de aumento

O formato das próteses escolhidas aquando da realização de uma  permite fazer variar o perfil, dando mais projecção no pólo inferior ou superior do peito, isto é, determinando a forma como o seu peito sobressairá do corpo.mamoplastia de aumento

De qualquer forma, «a posição do implante deve respeitar as características anatómicas da paciente e, independentemente da forma e do volume, deve ser centrada com a glândula mamária e com o complexo auréolo-mamilar», explica o cirurgião plástico João Baptista Fernandes.

Não existem critérios rígidos, o volume dos implantes deve ser decidido de acordo com o biótipo da paciente. De acordo com João Baptista Fernandes, em Portugal e em toda a Europa, os volumes mais utilizados variam entre os 175cc e os 300cc.

Nos EUA, é comum utilizarem-se volumes um pouco maiores». Apesar de não existir um tamanho pré-definido, os especialistas são unânimes em reconhecer que a prótese deverá ser proporcional em relação ao resto do corpo (ombros, tórax e ancas).

Deve haver uma harmonia nas formas femininas. Por norma, umas próteses grandes ficarão mais naturais numa mulher alta do que numa mais magra e de caixa torácica estreita. Não obstante, algumas desejam essa exuberância.

Mais, há quem queira que se note que têm implantes, mesmo contra o conselho do médico que as orienta no sentido da maior naturalidade possível. Para definir o tamanho ideal para si, o seu médico poderá ir enchendo o sutiã até encontrar aquele que melhor se adapte àquilo que pretende.

E o preço?

De acordo com o cirurgião plástico João Baptista Fernandes, «a mamoplastia de aumento, sob anestesia geral com 24 h de internamento, pode ter um custo total variável entre 4.000 a 6.000 euros».

O melhor momento para aumentar o peito

Agora é uma boa altura para fazer uma mamoplastia? Descubra já!

Quer exibir uns seios maiores mas não sabe quais são os períodos mais indicados para a realização de uma ?mamoplastia de aumento

A  dá-lhe a resposta:Ultimate Beauty

«Este tipo de cirurgia pode ser feito quando se atinge a estabilidade hormonal e o fim do crescimento, por volta dos 18 anos», recomenda o cirurgião plástico João Baptista Fernandes.

Depois dos 18 anos

Devido à passagem do tempo ou à amamentação, o peito pode cair e ficar vazio. Neste caso, não se trata só de aumentar o peito mas de também de elevá-lo para a sua posição normal, sendo necessário associar à prótese a mastopexia (cirurgia de elevação mamária).

Para corrigir a flacidez

As próteses podem servir para corrigir assimetrias, quer sejam devidas a causas naturais, acidentes ou em virtude de uma mastectomia, em cujo caso se recomenda o implante da prótese no decorrer da mesma operação para o trauma ser menor.

Em caso de assimetria

Aumentar o peito pode ser perigoso?

Descubra o que dizem os especialistas

Segurança acima de tudo tem sido uma das preocupações constantes. Desde que se começou a fazer cirurgia de aumento de peito (), os materiais e o tipo de próteses não têm parado de evoluir, com vista não só à obtenção de melhores resultados estéticos mas, sobretudo, em defesa da segurança e saúde das doentes.mamoplastia de aumento

A polémica do silicone

Na década de 90, sobretudo nos E.U.A, desencadeou-se uma polémica em torno dos implantes de silicone existentes na altura, «por haver a possibilidade de migração de micro-partículas do gel de silicone através da parede da prótese, que se alojariam no organismo, causando algumas doenças sistémicas potencialmente graves», explica o cirurgião plástico João Baptista Fernandes.

Nessa altura, foram desenvolvidas algumas alternativas ao silicone, adoptando «a inclusão de diferentes substâncias no interior das próteses, caso do soro salino, soja , hidrogel e ainda as próteses com dupla parede», assinala o cirurgião plástico.

No entanto, estas caíram praticamente em desuso, com o aparecimento do gel de silicone coesivo, que «mesmo em caso de ruptura da prótese, não se desloca nem migra no organismo e substitui com vantagem todos os outros materiais por ser o que mais se assemelha ao peito natural», assegura João Baptista Fernandes.

Prevenir as rupturas

«As próteses actuais são muito resistentes e a possibilidade de ruptura é mínima, não havendo qualquer necessidade de cuidados especiais ou limitação de actividades», assegura João Baptista Fernandes.

As próteses estão envoltas em quatro camadas. É muito difícil que se rompam todas e mesmo que uma se rompesse (ruptura intracapsular) não notaria nada. Caso se produzisse uma rotura total, devido a fortes pancadas, por exemplo, dar-se-ia imediatamente conta pela mudança de consistência numa das mamas.

De qualquer forma, «o risco é nulo, no caso de se tratar de próteses de gel coesivo, uma vez que este se mantém no local», explica o cirurgião plástico. Em caso de suspeita de ruptura, deve-se confirmar a ruptura, normalmente através de ecografia, e proceder à substituição da prótese danificada.

Aumentar os seios

O processo, passo a passo, explicado por um cirurgião plástico

A  é uma técnica cirúrgica para aumentar o tamanho das mamas. Este método também permite a correcção de uma ptose (designada habitualmente por mamas descaídas) ligeira e aumentar um pouco a firmeza das mesmas.mamoplastia de aumento

Já ouviu falar sobre esta operação mas não sabe bem como se processa. A  explica-lhe:Ultimate Beauty

A MAMOPLASTIA DE AUMENTO...

- Realiza-se mediante anestesia geral ou anestesia local e sedação.

- As próteses implantam-se através de umas incisões de 3 a 5 cm, que podem ser feitas na axila, em redor da auréola ou no sulco mamário, que é a prega debaixo do peito.

- A maioria das operações realizam-se por via hemiaureolar ou submamária. A axilar é menos utilizada, já que é mais complicada e pode exigir anestesia geral.

- Quando a operação se faz por via aureolar, é importante que a incisão se faça na zona onde a pele muda de cor, caso contrário, poderia causar problemas de pigmentação e notar-se.

- A prótese é introduzida pouco a pouco, pressionando com os dedos, até ficar colocada no lugar correcto, que nem sempre é sob o músculo peitoral. Na verdade, «em qualquer localização, sub-muscular, sub-fascial ou sub-mamário conseguem-se obter excelentes resultados», assegura o cirurgião plástico João Baptista Fernandes.

- «Normalmente, a localização do implante, assim como a via de acesso para a sua colocação, é um critério decidido pelo cirurgião em função de várias premissas, que devem ser avaliadas: a idade, o peso, a altura, a largura do tórax, as características anatómicas locais, como o tipo e a forma da glândula mamária, o grau de ptose se existir, o tipo de pele, a espessura do tecido adiposo, etc», explica.

- Em 90% das operações é fundamental descer o sulco mamário. A razão é que um peito pequeno forma o sulco mais acima do que um peito mais abundante: caso se implantem as próteses sem tê-lo baixado antes, ficarão muito altas e pouco naturais.

- Uma vez introduzida a prótese, procede-se à sutura. Não se realiza directamente sobre a pele, mas sim intradérmica, para que não deixe vestígio de cicatriz. Os pontos irão soltando-se por si próprios.

- O processo total dura entre uma hora e hora meia. Se a anestesia tiver sido geral, terá de permanecer internada 24 horas. Se tiver sido local e com sedação poderá ir para casa no próprio dia.

O pós-operatório da mamoplastia de aumento

Depois da operação, tem de ter alguns cuidados. Saiba quais

Os primeiros dias após a realização de uma  são os mais incómodos, especialmente se a prótese tiver sido colocada debaixo do músculo, e aqueles em que é necessário ter alguns cuidados especiais.mamoplastia de aumento

Para além disso, é aconselhável fazer um acompanhamento de rotina durante o primeiro ano e, após dois ou três anos, para confirmar se tudo está bem.

Segundo o cirurgião plástico João Baptista Fernandes, os cuidados pós-operatórios nos primeiros dias incluem:

- Uso obrigatório e permanente (24 horas por dia) de sutiã especial (tipo desportivo), durante, pelo menos, oito dias. 

- Restrição da actividade física, incluindo a condução, nos primeiros dias. 

- Dormir de barriga para cima durante umas semanas.

- Massagem diária. A partir do 15º dia, é aconselhável iniciar a massagem e mobilização dos implantes mamários, para prevenir o encapsulamento. Trata-se de um problema que surge em 4 a 10% dos casos e é responsável pelo facto de alguns implantes padecerem de rigidez. Resulta do facto do organismo criar uma cápsula fibrosa que aprisiona a prótese, impedindo a sua movimentação e fazendo com que o peito se torne pouco natural. 

- Uso de bandas elásticas. Está indicado nos implantes com localização sub-muscular e com via de acesso axilar, no sentido de minimizar o risco de deslocamento superior das próteses. Devem ser colocadas superiormente e concomitantemente ao uso do sutiã. 

- O regresso às suas actividades normais, incluindo as actividades desportivas sem restrições, deve ser feito progressivamente ao fim de 15 dias.

- E se o resultado não for o desejado? Pode-se operar de novo. Mas o mais importante é a primeira operação, já que em caso de se produzir encapsulamento, por exemplo, é difícil corrigir um aumento mamário.


© Órbitanews 2014