Sexualidade: as mulheres 1

Sexualidade: as mulheres descomplicadas

se-mulh


Elas são, na essência, mais livres e felizes do que as mulheres de outras gerações. Em matéria de sexo, já não consideram a masturbação um tabu, e não aceitam atingir o orgasmo apenas uma vez em cada cinco vezes.


Philippe Brenot, psiquiatra e sexólogo, questionou mais de 3 000 mulheres sobre a sua relação com o desejo, o prazer, e praticas sexuais. Um mergulho fascinante nas vidas íntimas das mulheres.


Elas são mais livres e descomplexadas

As mulheres descomplicadas: é o retrato que caracteriza as mulheres, o sexo e o amor, inquérito realizado junto de 3 4 04 mulheres heterossexuais, dos 15 aos 80 anos, que vivem em casal.


“Em trinta anos, assiste-se a uma verdadeira liberalização de comportamentos, analisa Philippe Brenot. E isso transcende as gerações. Hoje em dia, as mulheres ousam dizer o que desejam”. Que têm necessidade de sexo, por exemplo. Antes, sentiam-se em posição de inferioridade, por vezes de submissão, e não dizia o que pensavam”.


Outra mudança que ocorreu: o olhar que as mulheres têm sobre elas, já que 60% se consideram bonitas e desejáveis e 67% sensuais.


A gentileza desperta o deu desejo


Quando se pergunta o que mais provoca o desejo nas mulheres, é a gentiliza e as atenções o que vem à cabeça. “Para uma mulher, as condições de amor são, antes de mais, racionais, lembra Philippe Brenot.


Quando estamos em consulta, pergunto aos casais se têm um problema. Os homens dizem sempre que fazem pouco amor, e que por vezes falham sexualmente. Enquanto as mulheres evocam outros argumentos como o ambiente em trono da relação: “falta de comunicação” e “expectativas frustradas…”Para o sexólogo, as atenções e a gentileza fazem parte integrada da sexualidade. É o primeiro nível de acesso, que todos os homens deveriam compreender.


Elas fantasiam sobretudo com o seu companheiro

Outra porta de entrada na sexualidade: os fantasmas. E aí, temos surpresas várias. Os fantasmas mais conhecidos – fazer amor com um desconhecido , por exemplo, George Clooney, e os fantasmas menos conhecidos e menos frequente: violação.


Em 71% de mulheres que confiam os seus fantasmas, a maior parte inclui o seu companheiro. Pressionando-a contra a parede, a fazer amor loucamente ...”Os fantasmas com o parceiro envolvem culpa. O mesmo estudo nos anos 1970 mostrou resultados bem diferentes, sobretudo fantasias sobre transgressão. Hoje em dia, nada é verdadeiramente interdito. Vivemos numa geração pós-sida, com um valor muito forte: a fidelidade”.


E é este mesmo companheiro que pode ser encontrado em muitas fantasias à volta de multi-parceiros. “A sexualidade de grupo excita tanto os homens como as mulheres. Mas o que emerge de todas estas fantasias, é sobretudo o desejo de uma sexualidade diferente, mais ousada, uma vez que o quotidiano já não é suficiente”.




© Órbitanews 2014